Concorrência desleal Conar recomenda suspensão da campanha “NET- depois do nosso líder, a gente também faz” inShare 2 segunda-feira, 17/6/2013 O Conar recomendou que a campanha "NET – depois do nosso líder, a gente também faz" deixe de ser veiculada. Segundo a decisão, a peça publicitária denigre as demais concorrentes. Confira o vídeo: A suspensão da propaganda em questão foi indicada após as empresas GVT e OI realizarem denúncias contra o anúncio. Apesar de terem sido efetuadas em momentos diferentes, as representações foram julgadas em conjunto pelo mesmo relator. A representação proposta pela GVT (124/13) alegou ferimento ao princípio da leal concorrência, presente do código de autorregulamentação publicitária. Segundo a autora, a peça denigre a concorrência por caracterizá-la como obsoleta, além de apresentar informações inverídicas e superlativas desprovidas de comprovação. A empresa OI também alegou ferimento ao princípio da leal concorrência, assim como a presença de informações inverídicas. Segunda a representação 141/13, o pioneirismo da NET no que diz respeito a canais HD e vídeo on demand não é correto. Em sua defesa, a Net recusou as críticas por considerar que o anúncio é, acima de tudo, bem humorado e não aponta falhas ou imperfeições nas concorrentes. Justificou também as alegações de superioridade. Em 3/5 houve liminar de sustação conta o anúncio, por considerar que a campanha mencionava as demais concorrentes de modo que as denegria. Segundo o relator, que concordou com as denúncias, todo o contexto do anúncio está comprometido e, por isso, ele deve ser interrompido. No dia 13/6, tal entendimento foi aprovado por maioria durante reunião do Conselho. A decisão deve continuar sendo cumprida, mesmo que a NET recorra.

Concorrência desleal Conar recomenda suspensão da campanha “NET- depois do nosso líder, a gente também faz” inShare 2 segunda-feira, 17/6/2013 O Conar recomendou que a campanha "NET – depois do nosso líder, a gente também faz" deixe de ser veiculada. Segundo a decisão, a peça publicitária denigre as demais concorrentes. Confira o vídeo: A suspensão da propaganda em questão foi indicada após as empresas GVT e OI realizarem denúncias contra o anúncio. Apesar de terem sido efetuadas em momentos diferentes, as representações foram julgadas em conjunto pelo mesmo relator. A representação proposta pela GVT (124/13) alegou ferimento ao princípio da leal concorrência, presente do código de autorregulamentação publicitária. Segundo a autora, a peça denigre a concorrência por caracterizá-la como obsoleta, além de apresentar informações inverídicas e superlativas desprovidas de comprovação. A empresa OI também alegou ferimento ao princípio da leal concorrência, assim como a presença de informações inverídicas. Segunda a representação 141/13, o pioneirismo da NET no que diz respeito a canais HD e vídeo on demand não é correto. Em sua defesa, a Net recusou as críticas por considerar que o anúncio é, acima de tudo, bem humorado e não aponta falhas ou imperfeições nas concorrentes. Justificou também as alegações de superioridade. Em 3/5 houve liminar de sustação conta o anúncio, por considerar que a campanha mencionava as demais concorrentes de modo que as denegria. Segundo o relator, que concordou com as denúncias, todo o contexto do anúncio está comprometido e, por isso, ele deve ser interrompido. No dia 13/6, tal entendimento foi aprovado por maioria durante reunião do Conselho. A decisão deve continuar sendo cumprida, mesmo que a NET recorra. fonte migalhas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONSTITUIÇÃO FEDERAL- ARTIGO 5 INCISO XX - CLAUSULA PÉTREA

veja sumula 233 STJ cédula de crédito bancario

Associação de moradores não é empresa prestadora de serviços